Quinta-feira, 26 de Abril de 2012

Texto e vídeo importados de http://www.resistir.info/

 

Donos de Portugal é um documentário de Jorge Costa sobre cem anos de poder económico. O filme retrata a proteção do Estado às famílias que dominaram a economia do país, as suas estratégias de conservação de poder e acumulação de riqueza.
Mello, Champalimaud, Espírito Santo – as fortunas cruzam-se pelo casamento e integram-se na finança. Ameaçado pelo fim da ditadura, o seu poder reconstitui-se sob a democracia, a partir das privatizações e da promiscuidade com o poder político. Novos grupos económicos – Amorim, Sonae, Jerónimo Martins - afirmam-se sobre a mesma base. 

 
 


publicado por tambemdeesquerda às 11:49
Quarta-feira, 25 de Abril de 2012

Carlos Zorrinho aproveitou a comemoração solene do 25 de Abril na Assembleia da República para declarar que o PS fará uma “ruptura democrática” com quem “baixar os braços, com quem ousar tentar destruir numa legislatura o que levou décadas a construir”. Esta declaração, mais do que expectantes, deixa-nos incrédulos. Há uns meses atrás, aquando da discussão e votação do Orçamento de Estado, já Seguro afirmara o intento de uma “abstenção violenta” (mas construtiva). Na altura, todos vimos a abstenção, mas nem os de olhar mais penetrante conseguiram vislumbrar algo que remetesse para a carga semântica do adjectivo. Desta vez, não se duvidando do carácter democrático de tudo o que o PS faz, é porventura do conteúdo do substantivo que convém duvidar. Ruptura? Talvez, mas antes com quem ousa tentar defender as conquistas da Revolução, pois sempre que dispõe dos instrumentos do poder, o PS tenta fechar as portas que Abril abriu, ao mesmo tempo que as escancara à sanha destruidora da direita reaccionária.

 

Aos jornalistas que o interrogavam à saída da sessão solene, Zorrinho esclarecia que “ruptura democrática” significa “não acompanhar o governo” em medidas que consubstanciem um ataque ao serviço nacional de saúde, à escola pública, etc. Isto é, “ruptura democrática” significa ser oposição – o que se suporia o PS fazer à coligação reaccionária. Pelos vistos, não fez. Mas, qualquer dia, lá virá a “ruptura democrática” e então sim, teremos o PS a defender com unhas e dentes o Estado social que tanto se empenhou em destruir. Aliás, para não irmos mais longe, veja-se como, ainda tão recentemente, e num momento crucial, o PS “acompanhou o governo” e a direita, por interposta UGT, no acordo de concertação social.

 

É por estas e por (todas as) outras que um dia destes conviria trocar as voltas aos oxímoros que parecem ser tão do agrado dos dirigentes do PS e, pegando no “violenta” de um e no “ruptura” do outro, fazer de vez uma ruptura que, sendo violenta, não deixaria de ser democrática.



publicado por tambemdeesquerda às 22:49
Espaço destinado a reflexões (geralmente) inspiradas na actualidade e na Literatura.
mais sobre mim
Abril 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
27
28

29
30


pesquisar neste blog
 
contador
Website counter
Mapa de visitantes
Visitantes por país
free counters
Visitantes em tempo real
Que horas são?
subscrever feeds
blogs SAPO