Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Também de esquerda

Espaço destinado a reflexões (geralmente) inspiradas na actualidade e na Literatura.

Também de esquerda

Espaço destinado a reflexões (geralmente) inspiradas na actualidade e na Literatura.

Três poemetos sempre actuais (em dia de manifestação de reformados)

Entre patrão e operário

 

Entre patrão e operário,

entre operário e patrão,

o que é extraordinário

é pretender-se união.

Não vista a pele do lobo

quem do lobo a lei enjeita.

A propriedade é um roubo.

Ladrão é quem a aproveita.

Negar a luta de classes

é negar a evidência

de um mundo de duas faces,

de miséria e de opulência.

 

          Armindo Rodrigues

 

 

Ana e António

 

A Ana e o António trabalhavam

na mesma empresa.

Agora foram ambos despedidos.

Lá em casa, o silêncio sentou-se

em todas as cadeiras

em volta da mesa vazia.

 

“Neo-realismo!” dirão os estetas

para quem ser despedido

é o preço do progresso.

 

Os estetas, esses, nunca

serão despedidos.

 

Ou julgam isso, ou julgam isso.

 

         Mário Castrim

 

 

 

 

De semântica

 

Recentemente

na fábrica

melhoraram muito

as relações humanas.

Agora, por exemplo,

ao tirar-se o prémio semanal

a uma operária

por uma mistura de fios,

por exemplo, ou por qualquer acto menor de indisciplina,

já não se diz impor um castigo;

diz-se:

estimular o sentido

da responsabilidade.

 

          Miguel Martí i Pol (tradução de Manuel de Seabra)