Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Também de esquerda

Espaço destinado a reflexões (geralmente) inspiradas na actualidade e na Literatura.

Também de esquerda

Espaço destinado a reflexões (geralmente) inspiradas na actualidade e na Literatura.

Companhias

À minha prima A., finou-se-lhe o marido. Ficou só neste mundo. Não obstante, dizia estar sempre acompanhada. Por Deus. Ignoro se Deus a acompanhava em todos os cómodos da casa, como soía acontecer com o marido, presumo, mas tal ideia afigura-se-me blasfema. Nem quero imaginar o quão inconveniente seria a presença de Deus naqueles momentos em que todos ansiamos pelo maior recato. Além de que o voyeurismo divino se me afigura inconsistente com a alta ideia que faço de Deus. Convenho, por isso, que o “estar sempre acompanhada” será força de expressão. Ainda que o ser omnividente, tomado à letra e entendido com o rigor a que a presente reflexão aspira, implique o escrutínio mais absoluto de todos os esconsos da nossa existência. Enfim, desisto de dirimir esta questão, cuja complexidade me assusta.


Também eu, quando fiquei sozinho, passei a estar sempre acompanhado. Pela rádio. Em cada cómodo da casa, um receptor: no quarto, aceso, ao levantar e ao deitar; na casa de banho, sempre que a permanência é um pouco mais demorada do que a exigida por um chichi; na cozinha, quando atamanco uma refeição; na sala, quando a tomo; no escritório (que fino!), baixinho, quando escrevo ou leio. Às vezes, há dois ou mesmo três receptores ligados – quando me desdobro em tarefas, de um lado para outro, qual fada do lar, descontado o desencontro de género. Estou sempre acompanhado, geralmente por vozes de que gosto, de pessoas que geralmente não conheço. São apenas vozes, mas eu sei que pertencem a pessoas que existem mesmo; não são criações do meu espírito. E essas pessoas, por muito que não queiram (claro que elas nem pensam nisso), fazem-me companhia. As vozes delas trazem-nas a elas para dentro da minha casa e para dentro de mim. Como não hei-de estar-lhes grato? Sem isso, ia tantas vezes ser difícil aguentar a solidão de que só gosto quando lhe vislumbro o fim próximo.


Postas as duas situações – a minha e a da senhora minha prima – em paralelo, falta apenas tirar ilações, o que faço com ponderação e gravidade q.b., que o assunto não é para menos: o que nem ela nem eu suportamos é a condição de Robinsons, encalhados numa ilha perdida. E como a necessidade aguça o engenho, inventamos um Sexta-Feira: ela, um transcendente; eu, um tecnológico. A ela, vale-lhe Deus; a mim, a telefonia.

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.